Analisando alguns acontecimentos recentes sobre crianças mimadas e lembrando do meu texto anterior sobre adultos mimados, percebo que nascemos mimados por necessidade de sobrevivência pois um bebê incapaz de sustentar-se e adquirir alimento e se proteger depende unicamente dos adultos e seu único recurso é abrir o berreiro para ser atendido mas devemos lembrar que a primeira infância deve passar e não ser mantida pelos pais e familiares mas notem, é missão da criança manter o máximo desses privilégios como vantagem pessoal, e assim nascem os tiranos, com permissão dos responsáveis.

A tirania é a grosso modo ser o bebê mimado depois de grande, onde todos lhe obedecem e lhe fazem suas vontades, sem punições e discordantes, sem regras e restrições, nenhum lugar é proibido de ir e você pode proibir os outros e apenas sua integridade deve ser preservada e só você pode agredir quem quiser.

Não só descrevi um rei, como um presidente de empresa multinacional ou um político fundamentalista.

 

O problema é que esta questão não afeta só os pais. Uma criança mimada é uma criança estragada, como dizem os americanos (Spoiled Child) e se tornará um adulto infeliz pois a realidade não se dobra aos seus caprichos, realidade ensinada por pais irresponsáveis ou covardes. Covardes por terem medo de enfrentar os filhos e achar que proibições os farão amarem menos ou os odiarem por ouvirem uma das palavras mais educativas do mundo: NÃO.

Lógico que somente dizer “não” não resolve o problema, pois todo animal segue os exemplos de seu convívio próximo e quando te dizem que não mas fazem que sim, essa incoerência faz a criança achar que está sendo indeferido ou colocado em desvantagem e aprende a ser hipócrita como quem deu o exemplo. Como o professor Leandro Karnal já disse, uma criança mimada vira um adulto imbecil e é assim que nascem os cidadãos egoístas, motoristas agressivos, políticos tiranos, religiosos extremistas que, mesmo com todo esse “poder”, não conseguem ser felizes pois não encontram satisfação no convívio social.

Posto que somos animais sociais e dadas as exceções dos eremitas e outros reclusos por opção, a felicidade do ser humano só existe com a satisfação nos seus ambientes de convívio. Não é a toa que a maior atividade de lazer entre os humanos é se comunicarem, seja presencial ou virtualmente, a conversa é ainda o mais antigo e satisfatório entretenimento das pessoas e para isso é necessário seguir regras de postura, educação, respeito, tudo que um mimado não quer pois se frustra ao não ser o centro das atenções e acaba sendo excluído do convívio dos outros, da infância à vida adulta e aí vêm os problemas psicológicos.

Você já deve ter ouvido ou lido que “a criança ficou doente pois passou vontade” e esse absurdo criado por pais negligentes de educação culmina em doenças do tipo psicológico como ansiedade e depressão mais tarde. Como explicado pela psicóloga Patrícia Machado, filhos mimados correm mais riscos de desenvolverem doenças mentais por que não sabem lidar com negações, derrotas, frustrações, perdas, resumindo, com os dissabores obrigatórios da vida pois eram superprotegidos da realidade por seus pais.

 
 Um adulto mimado não consegue se preocupar com as consequências dos próprios atos pois nunca teve que arcar com essa situação. Mas a inconsequência tem seu preço e quando não conseguem encontrar um substituto para arcar com o ônus, seja um empregado ou outro familiar, acabam desabando em desespero e para esses o vício em drogas parece-lhes uma boa saída para o sofrimento.

Quando fala-se em crianças mimadas logo a imagem é de uma criança de classe média ou rica sendo paparicada por criadagem em sua mansão ou apartamento duplex mas a realidade é que essa impressão sem nexo algum mascara a nova geração de filhos exigentes e pais desorientados, isso no mundo inteiro, em todas as classes sociais. Um exemplo é na Suécia, onde adultos buscam apoio psicológico para aprenderem a lidar com a “geração de mimados” onde a tentativa de tentar enxergar a criança sem o preconceito de incapacidade cognitiva, do Século XIX, falhou diante dos pais que não buscaram preparo para esta nova realidade. Certamente os fatores que culminaram nessa decisão passa de “falta de palmadas” até “excesso de atenção” mas o ponto crucial é mais biológico, e algo que aprendi com a Super Nani e o Cesar Milan: ninguém respeita uma pessoa frouxa.

Seja cachorro ou criança, uma pessoa que se dobra aos desígnios de outra visivelmente inferior em força e intelecto está em déficit de respeito diante da sua comunidade e vivência doméstica e será subjugada por outro de maior confiança, seja um animal ou o próprio filho.

É uma reação orgânica que o representante mais confiante de um grupo se proponha a assumir a comandância sobre os demais, para fins de sobrevivência e que os menos confiantes se submetam á essa “voz firme” para que não sofra retaliações ou desprezo, indiferente ao seu porte físico ou nível de conhecimento, pois se inferioriza devido à baixa auto-estima, uma questão psicológica.

 
 Podemos colocar em tese que a criança mimada é filha de pais submissos enquanto confiantes diante da figura dos pais que se dobram às suas vontades usando de meios comprovados de manipulação, seja choro, birra ou agressão física. Tais crianças, que se tornam tiranos domésticos acabam controlando a vida dos pais e chegam a decidir desde onde sentarão à mesa, destino de viagens e até onde a família vai morar. Certamente, tudo que existe na casa é propriedade deste reizinho, basta ele exclamar o decreto real “é meu!”.

 Em qualquer cenário, o maior sofredor em toda essa história é o mimado, que nunca ficará satisfeito com sua vida, suas experiências pessoais, profissionais, que espera uma manifestação honesta das pessoas que convive e nunca as terá pois condicionou aos outros na ameaça de suas reações egoístas e teimosas, à injustiça e retaliações aos discordantes e enquanto quer mandar no comportamento e reações dos outros buscando satisfação, encontrará apenas a frustração de obedientes devido ao medo e não aos motivos espontâneos de carisma, amizade, gratidão e respeito, coisas que um ditador nunca terá.

0
0

Escrever artigo sobre este tema

O The Global P. é uma plataforma aberta de debate. Os textos nele postados não refletem a opinião do site. Você tem uma opinião diferente da desse autor? Escreva o seu próprio artigo! Clique aqui e saiba mais.