Minha mãe dizia que sou muito observador. Não sei se isso é algo que a gente escolhe ter ou ser, mas consigo perceber que as palavras dela trazem verdade em sua constituição. Quando não estou em lugares da minha convivência diária, gosto de analisar o que se passa ao redor, principalmente no que tange à pessoas. A forma como seus olhos dançam procurando um assunto para se ater, a tentativa de socializar quando em público, de se afastar em meio a problemas, a preocupação que há quando erram e podem estar sendo observados. Exemplos não faltam.

Faz anos que trago um mote comigo: ser feio não é de todo ruim. Não especificando todos os motivos desse pensamento, cito um: a dificuldade de se tornar um ponto de atenção, espacialmente falando. Não dificuldade por haver alguma vontade nisso, mas no sentido de que as variáveis da vida impõe uma quase impossibilidade disso ocorrer. Tal dádiva, se é que se pode chamar assim, permite que cada saída dos espaços privados seja como subir numa caixa d’água sem brilho de uma grande cidade qualquer, e observar os transeuntes a vagar pelo seus caminhos pessoais. Caixas d’água não chamam atenção, mas possuem uma das melhores vistas que se pode ter, resguardando possíveis nuances do ambiente.

Dessa forma, observar pra mim é como hábito, mas sem ser incômodo. Afinal, observações sobre o alheio vagam naquele espaço-tempo entre a surpresa e o estranhamento. E tal atitude entrega um resultado passível das mais infinitas opiniões. É possível julgar o que vemos, admirar, desdenhar, interagir, ajudar. E tirar insumos daquilo que conseguimos prender à memória. A expressão sisuda de um típico casal, a roupa bonita demais para ser facilmente encontrada, um olhar repreensível dos pais diante da arte pública de seu rebento. Porque aquele pai olhou tão feio pra criança? Deve ter sofrido quando pequeno. E o casal, qual seria o motivo da briga? Ou estariam em dúvida sobre uma escolha? Onde será que aquela roupa foi comprada?

E assim caminha a vida, alguns com seus mundos particulares à tiracolo, e outros observando a dança dos planetas.

7
0

Escrever artigo sobre este tema

O The Global P. é uma plataforma aberta de debate. Os textos nele postados não refletem a opinião do site. Você tem uma opinião diferente da desse autor? Escreva o seu próprio artigo! Clique aqui e saiba mais.